Diferentes jeitos de ser mãe ou cada mãe do seu jeito (Dia das Mães)

O grande e maravilhoso livro das famílias
Introdução
Reunir alunos e suas respectivas mães – entendida aqui como a pessoa que cuida, educa, protege, dá carinho e se responsabiliza pelo desenvolvimento físico, afetivo, cultural e religioso da criança – para vivenciar momentos de proximidade e afeto é a tônica desta atividade que tem como meta promover a harmonia e a reciprocidade como valores da família.
 
Um pouco de história…
Na origem, a humanidade celebrava a festa da Deusa Mãe associada à terra e à água. Ela era Vênus, Cibele, Pacha Mamma, Reia, Iara, Iemanjá, Mãe da Mata, etc.
Mais tarde, no século XVII, pós revolução industrial, a Inglaterra passou a dedicar o quarto domingo da quaresma às mães das operárias inglesas. O dia ficou conhecido como “Mothering Day”, que deu origem ao “mothering cake”, um bolo que tornava o dia mais festivo.
Nos Estados Unidos, a data foi proposta por Anna Jarvis, como forma de homenagear sua mãe falecida. Ela lutou durante anos para que seu país fixasse uma data em que os filhos pudessem demonstrar respeito e carinho pela pessoa que os trouxera à vida. Finalmente, em 1914, Woodrow Wilson, então presidente dos Estados Unidos, estabeleceu que o Dia Nacional das Mães deveria ser comemorado sempre no segundo domingo de maio. A sugestão foi da própria Anna Jarvis. Muitos outros países seguiram o exemplo e incluíram a data no calendário.
O primeiro Dia das Mães brasileiro foi promovido pela Associação Cristã de Moços de Porto Alegre, no dia 12 de maio de 1918. Em 1932, Getúlio Vargas oficializou a data seguindo o calendário norte-americano.
 
Você sabia?
Cravos brancos são símbolos da maternidade. Para Anna Jarvis, a brancura do cravo significava pureza, fidelidade, amor, caridade e beleza.
 
Refletindo sobre valores
Festejar o Dia das Mães é a forma mais sutil de ensinar o respeito e incentivar o amor entre filhos e pais. Porém, essa é uma das datas mais delicadas para ser trabalhada na escola.
A mesma sala de aula pode reunir alunos vindos de diferentes modelos familiares: criados por avós, tios, adotivos, filhos de pais separados, de mães falecidas, educados por uma madrasta, só pelo pai, etc. Além disso, o tema é afetivo, chega direto ao coração, o que traz um problema para o(a) educador(a) que, na proximidade dessa festa, pergunta-se: como abordar o tema sem causar “dor afetiva” no filho cuja mãe é ausente ou simplesmente diferente?
Aqui vai nossa dica de atividade coletiva: antecipe a data com uma ciranda de reflexões mediadas por atividades

 

Como fazer:
1. Peça aos alunos que ilustrem com desenhos ou fotos a composição de sua família.
2. Organize a sala em forma de ciranda. Peça aos alunos que mostrem seus desenhos e falem de suas famílias. Provoque uma reflexão sobre os diferentes modelos de família ilustrados e sobre os papéis que as figuras materna e paterna representam.
3. Ao terminar, aproveite as fotografias e os desenhos para confeccionar um painel, com o título “Álbum de família”.
4. Explore as diferentes formas de “ser mãe”. O debate pode ser enriquecido com trechos de filmes e histórias.
 
Sugestões:
* Uma viagem extraordinária. Direção: Jean-Pierre Jeunet. França/EUA, 2014 (1h 45min).
 Aos doze anos de idade, T. S. Spivet, um garoto superdotado, ganha um prêmio científico e decide abandonar sua família, em Montana, para atravessar sozinho os Estados Unidos.
* Os incríveis. Direção: Brad Bird. EUA, 2004 (1h 55min).
 A mulher elástica é a mãe que se desdobra para cuidar da casa, dos filhos e do marido.
* Mogli, o menino lobo. Direção: Wolfgang Reitherman. EUA, 1968 (1h 18min).
 Mostra um menino criado por lobos, o carinho e a proteção dos amigos.
* O Príncipe do Egito. Direção: Steve Hickner, Simon Wells, Brenda Chapman. EUA, 1998 (1h 39min).
  • Narra a história de Moisés, um menino judeu. Para salvá-lo, a mãe o lança nas águas do rio Nilo. O cesto com a criança é encontrado pela filha do faraó, que o toma por filho.
5. Depois de ver os filmes, aborde os temas proteção e amor. Trabalhe para que os alunos entendam que outras pessoas podem exercer o papel de mãe.
Concluído esse momento, os alunos estarão preparados para participar das atividades que envolvem o Dia das Mães.
 
Sistematizando
Como fechamento da ciranda de reflexões e atividades, organize uma seção de massagem surpresa para as mães:
1. Prepare os alunos com antecedência, ensinando-os a fazer uma massagem. Para este momento, forme duplas: um colega sentado faz as vezes da mãe e o outro faz a massagem, e vice-versa. Mostre a eles que ao fazer uma massagem acontece uma comunicação entre o corpo e as mãos. Cada pedacinho do corpo merece cuidado. Prepare-os para fazer a massagem que deve começar na cabeça, lentamente, massageando os cabelos, descer para as sobrancelhas, os olhos, a boca e terminar em um abraço.
2. Convide as mães para virem à escola. Escolha o melhor momento: pode ser no início ou no final da aula.
3. Prepare a sala, deixando o ambiente bem agradável. Se for possível, substitua as carteiras e cadeiras por almofadas.
4. Deixe os alunos em outra sala enquanto você recebe as mães. Peça que se acomodem e coloque uma música agradável, calma, que ajude a relaxar. Peça que fechem os olhos e sentam a música. Neste momento, os alunos entram silenciosamente, colocam-se atrás das mamães e começam a massageá-las pelo alto da cabeça, lentamente. Depois que toda a cabeça foi massageada, acariciam as sobrancelhas, as bochechas, o queixo, os ombros. Ao tocar os ombros, voltam-se para a frente, sentam no colo do mãe e dão-lhe um abraço carinhoso. Neste momento, podem entregar uma lembrança previamente preparada.
 
Saiba mais
Para aprofundamento, sugerimos dois filmes que mostram os diferentes jeitos de ser mãe:
 
A Noviça Rebelde. Direção: Robert Wise. Reino Unido/EUA, 1965 (2h 54min).
Um dos musicais mais famosos de todos os tempos, conta a história de uma jovem religiosa que deixa o convento para cuidar dos sete filhos de um militar viúvo. Mesmo não sendo a mãe biológica das crianças, Maria (Julie Andrews) muda suas vidas.
 
Valente. Direção: Mark Andrews e Brenda Chapman. EUA, 2012 (1h 35min).
Filme de princesa da Walt Disney que tem como temática principal o relacionamento entre mãe e filha. Merida vai lutar por sua liberdade e provar para a mãe que existem outras alternativas além dos sonhos que ela projetou para a filha.
 
Referências
Kendall, N. F. Mothers Day – A History of its Founding and its Founder, 1937.
Duarte, M. A origem das datas e festas. São Paulo: Panda Books, 2005.
 
Share this:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Digite seu nome, e-mail e um comentário.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>