Zero em comportamento, ou nota dez?

A educação moral não deve ser trazida de fora para dentro da criança,
mas deve ser uma consequência natural de uma vivência moral.
(Pestalozzi) 
 
Completando o nosso dicionário, ofereço-vos um esperançoso contraponto da Escola X, a Escola Z, que acolhe alunos oriundos de bairros sociais e favelas, jovens castigados pela fome e por outras violências, crianças expulsas de outras escolas. A violência vivida pelos alunos que esta escola acolhe é característica de uma sociedade excludente, que, infelizmente, muitas escolas ainda ajudam a reproduzir.
O projeto (escrito) da Escola Z consagra valores, cuja prática opera o resgate daquilo que torna os seres humanos mais humanos. A práxis da Escola Z permite aos seus alunos partirem do zero em comportamento para a nota dez em humanidades.
Diz-nos o dicionário que valor é preceito ou princípio moral passível de orientar a ação humana. Mas, se a Escola foi criada para reorientar a ação humana, para ser um berço de igualdade social, um modelo de escola obsoleto e hegemônico transformou-a num obstáculo ao desenvolvimento humano. Hoje, são visíveis sinais de que a velha escola está prestes a parir uma nova escola. E de que, neste processo, os educadores mais sensíveis sentem com mais intensidade as dores do parto.
A Escola Z é nota dez na vivência de valores. A vivência dos valores enforma o caráter, projeta-se nas atitudes. Os educadores que nela operam felizes transformações desenvolvem uma “ética universal do ser humano”, como diria o saudoso Paulo. A coerência, que nela se opera entre teoria e prática, reorienta a ação humana e vai dando bons frutos. O Robson, atento e crítico nas intervenções que faz durante as reuniões de pais, proibiu a filha de ver a novela. E o filho da Cleide já não assiste às aberrações do Big Brother. O pai do Maique vendeu a bicicleta de ir para o trabalho e ajudou a escola na compra de um violino para o seu filho. Aos treze anos, quando chegou à Escola Z, o Maique não conseguia sequer pegar num lápis. Os trabalhos da roça tornaram os seus dedos hirtos, as mãos calejadas, difíceis de fechar. Hoje, já vai ensaiando acordes de bachianas partituras, enquanto aprende noções de Matemática e recebe lições de sensibilidade. O impulso criativo da orquestra e o do coral de jovens ganham raízes no propiciar às crianças a oportunidade do deslumbramento dos sentidos.
Sabemos que a transmissão de valores se dá pela convivência, pelo exemplo, pelo contágio emocional. Assim aconteceu com o Maicon, filho de pai que não chegou a conhecer. Que viu a mãe ser assassinada por um traficante. Que assistiu a estupro e outras violências. Por ter sido violado, não controla o esfíncter anal. Naquela manhã, chegou cheirando a fezes, urina e suor. E não tardou a reincidir no xingamento e na agressão aos colegas.
O professor aproximou-se e abraçou-o… com firmeza. O Maicon tentou libertar-se do amplexo, estrebuchou, gritou. Quando se acalmou, o professor ficou a fitá-lo, em silêncio. Quando o Maicon tirou os olhos do chão, falou:
- Tio, posso fazer uma pergunta?
- Pode – respondeu o professor.
- Posso dar-lhe um abraço? – Aquele corpo franzino colou-se ao peito do professor. E o inusitado questionamento repetiu-se:
- Tio, posso fazer só mais uma pergunta? Posso?
Antes que o professor, visivelmente emocionado, pudesse responder, o Maicon acrescentou:
- Por que foi que o tio chorou, quando eu o abracei?
Bastou um momento de carinho e firmeza, para que a reciclagem dos afetos acontecesse. Tem razão o Juarez, quando diz que não há tarefa impossível, quando ao desejo do coração se soma a verdade da intenção.
 
José Pacheco
Mestre em educação da Criança,
ex-diretor da Escola da Ponte em Portugal
Share this:
2 Comentários para Zero em comportamento, ou nota dez?
  1. Artamilce Maciel Teixeira Responder

    Texto muito bom. Na realidade as escolas públicas recebem muitas crianças excluídas pela nossa sociedade, a maioria de baixa renda. O que contribui de forma significativa para o crescimento dos conflitos são as famílias desestruturadas. O professor precisa estar bem preparado para lidar com situações diversificadas que surgem em seu cotidiano. É necessário se trabalhar muito os valores humanos para tentarmos conseguir resgatar essas crianças muitas vezes desprovidas de qualquer sentimento afetivo. É uma realidade difícil de ser modificada mas não é impossível, se o objetivo é conseguir não custa tentarmos.

  2. Magdalena Gomes Mota Fernandes Responder

    Concordo que a Escola deveria ser um Local de referência para a Comunidade em que ela está inserida, por que é importande ela mergulhar na realidade de seus educandos, para que dessa forma, seja possível incluir o tema dos Valores em todos os momentos junto aos educandos. É apena s agindo dessa forma, é que a Escola se transformrá em um Polo de Aprendizagem dos conhecimentos e da Vida…… È como afirma Paulo Freire, a Escola tem que ser um instrumento de trasformação social…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Digite seu nome, e-mail e um comentário.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>