Verdade

A verdade padece, mas não perece. (Santa Teresa d’Ávila)

Conta-se que um filósofo conversava com o diabo, quando passou um sábio com um saco cheio de verdades, do qual uma caiu. Alguém a apanhou e saiu correndo, gritando: Encontrei a verdade! Perante esse quadro, o filósofo disse para o diabo: Aquele homem encontrou a verdade e, agora, todos vão saber que você é uma ilusão da mente. Mas o diabo respondeu: Está enganado. Ele encontrou um pedaço da verdade. Com ela, vai fundar mais uma religião. E eu vou ficar mais forte!

Quem sofrer de alguma forma de angústia existencial encontrará respostas em Kalil Gibran, ou em Antoine Saint Exupéry. Aqueles que estiverem em situação de dúvida religiosa poderão recorrer à Bíblia, ao Corão, ou a outro qualquer livro sagrado. Essa experiência pode constituir-se numa bela harmonia. Certamente, haverá muitas verdades para a verdade em que acreditamos. Se eu vejo de um modo e o outro vê de outro modo, que se tente ver os dois modos, ver juntos, como Mahatma Gandhi fazia: “A minha preocupação não está em ser coerente com as minhas afirmações anteriores sobre determinado problema, mas em ser coerente com a verdade.” Não esqueçamo-nos que foi a imposição de uma “verdade” única que levou Espinosa ao exílio e Galileu à retratação.

O José Prat ironiza: “Sempre que alguém afirma que dois e dois são quatro, e um ignorante lhe responde que dois e dois são seis, surge um terceiro que, em prol da moderação e do diálogo, acaba por concluir que dois e dois são cinco”…

Apesar das distorções da informação cometidas pela mídia, a verdade continua sendo verdade. Quando a mentira, tal como a Medusa, contempla o escudo de Teseu e soçobra, é porque reconhece a sua verdadeira face.

Um e-mail recebido de uma professora está escrito:

- Eu estava numa palestra sua e lhe fiz uma pergunta. Me apresentei como pedagoga e disse que tinha duas dúvidas. O senhor me respondeu algo assim: Como pode ser pedagoga e ter apenas duas dúvidas?

Acredito que todo o ser humano é uma dúvida, uma “metamorfose ambulante”. A dúvida e a humildade são companheiras diletas da verdade, uma mistura sublime. Aceitemos, serenamente, os mistérios por desvendar, sem necessidade de explicações para o inexplicável.

Venho repetindo que o princípio da veracidade deverá nortear todos os projetos educativos. Mas, na boca das crianças, a verdade chega a ser crueldade…

- Ah tia, desculpe! – disse a aluna.

- Por que, minha filha? – quis saber a professora.

- É que chamei a senhora de idiota – esclareceu a criança.

- Eu não escutei nada – disse a professora, sorrindo.

- Foi só em pensamento… – esclareceu a criança.

Ainda que disso não tome consciência, a criança age filosoficamente, buscando verdades. Verdades como a que reconstitui a história da filosofia dos adultos: Thales afirmava ser a água o elemento fundamental da matéria. Anaxímenes acreditou que fosse o ar. Para Xenófanes, o elemento fundamental era a terra. Heráclito afirmou que era o fogo. E chegou Empédocles, para explicar que o mundo é combinação da água, ar, terra e fogo. As crianças e os loucos falam verdades que a sua época permite vislumbrar. Talvez por isso, os loucos sejam internados em hospícios e as crianças em escolas. Permite, pois, que vos narre mais um episódio, confirmação da infantil prática da verdade.

Uma professora tentava convencer os alunos a comprar uma  cópia da foto do grupo:

- Imaginai que bonito será, quando vocês forem  grandes e todos digam “ali está a Catarina, é advogada, este é  o Miguel e, agora, é médico”.

Uma vozinha, vinda do fundo da  sala, fez-se ouvir:

- E ali está a professora… Que já morreu.

José Pacheco
Mestre em educação da Criança,
ex-diretor da Escola da Ponte em Portugal

Share this:

4 Comentários para Verdade
  1. ELIANE PEREIRA DE SOUZA NOVA IGUACU Responder

    muito interessante! Verdades são sempre verdades, embora tentemos distorcê-las sempre.

  2. sirlei Responder

    Muito bom e nos obriga a refletir ainda um pouco mais.

  3. Norberto Responder

    Melhor presente do que este no dia da mentira nunca recebi. Muito obrigado

  4. Artamilce Maciel Teixeira Responder

    Muito interessante o texto, e como às crianças são inteligentes e sempre falam o que pensam, o professor precisa ter uma boa forma de agir em determinados momentos ao ouvir certos comentários de uma criança. Porque alguns se aborrecem e ficam chateados com aquela criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Digite seu nome, e-mail e um comentário.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>